segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

Vigilância: Odebrecht, de pai para filho

A empresa EAO Patrimonial teve suas ações doadas por Emílio Odebrecht e sua esposa aos seus quatro filhos com reserva de usufruto vitalício para o casal.
Cláusulas desse tipo garantem que quem recebe a doação não se be)neficia do bem enquanto os doadores estiverem vivos.
Foi por conta desta empresa que a área técnica do TCU (Tribunal de Contas da União) concluiu que Marcelo Odebrecht teria descumprido a medida de bloqueio de bens depois que a empresa teve o capital social reduzido
O TCU diz que não comenta processos em andamento. (Mônica Bergamo – Folha de S.Paulo

Nenhum comentário:

Postar um comentário