terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

ARARIPINA - EMOÇÃO E COMOÇÃO MARCAM O VELÓRIO E DESPEDIDA DO SARGENTO EUDES DA 9ª CIPM


 
Uma grade comoção marcou o velório do Sargento Eudes Pereira, de 36 anos, na tarde desta segunda-feira 19/02, no CTA, Centro Tecnológico do Araripe, em Araripina, onde o corpo foi velado por duas horas para que todos os amigos e companheiros de farde pudessem dizer o último adeus ao guerreiro que se foi deixando saudades. 
Policiais da ROCAM, GATI, NIS-04 do 7º BPM e de todas as Companhias de Polícia Militar da Região do Araripe e policiais dos estados do Piauí e Ceará, comparecerem para prestas as últimas homenagem ao Sargento falecido. 
Sargento Eudes era natural de Caxias-MA, e por pelo menos 10 anos trabalhou na antiga 2ª CPM, Companhia de Polícia Militar de Araripina, hoje 9ª CIPM, Companhia Independente de Polícia Militar de Araripina. 
Eudes Pereira da Silva, foto acima, tinha feito aniversário no último dia 06/02, e era um amante do futebol. Diariamente jogava nas quadras e campos da cidade e região com seus amigos da polícia e outros que conquistou durante os anos trabalhados na segurança pública do município. 
Na madrugada desta segunda-feira 19/02, o Sargento Eudes foi encontrado morto na PE-585, entre o Distrito de Serrolândia, zona rural de Ipubi e Araripina, vítima de um atropelamento. Segundo informações da própria PM, o mesmo seguia na citada rodovia em seu veículo, um Honda Civic de cor prata, quando perdeu o controle e desceu um aterro. Ao subir a pé até a pista para procurar ajuda foi atropelado por um veículo ainda não identificado que fugiu sem prestar socorro. 
No momento da despedida no Centro Tecnológico, os policiais deram as mãos e fizeram a oração da ROCAM. Emocionados todos choraram, o caixão foi fechado e numa Van da Afasal, seguiu para Caxias-MA, sua cidade natal, para a realização do sepultamento que deve ocorrer na manhã desta terça-feira 20/02. Veja abaixo o vídeo no momento da despedida.

Reportagem/ Fotos/ Vídeo - Fredson Paiva

DESCASO - PACIENTES DO TFD SÃO ABANDONADOS NA RODOVIÁRIA DE ARARIPINA


Falta de humanidade e respeito com as pessoas é o que pode definir muito bem o que aconteceu na noite deste sábado, 17/02 e que ficará na memória de forma triste de muitos pacientes que necessitam do TFD – Tratamento Fora de domicílio. O ônibus que a prefeitura de Araripina destina para o transporte dos pacientes simplesmente não apareceu para levar os mesmos até a capital do estado.

Os pacientes – idosos, crianças e jovens senhoras – chegaram na rodoviária por volta das 19 horas e ficaram em uma espera sem fim. O ônibus não apareceu e o pior é que nenhum representante da prefeitura de Araripina, numa total falta de respeito e compromisso com os que necessitam de tratamento de saúde.
Pelo menos uns 15 pacientes – que são da zona rural – tiveram que dormir na rodoviária, no piso frio dos bancos daquele terminal. Isso porque não tiveram como voltar para suas residências e a Secretaria de Saúde não mandou nenhum transporte para levar os mesmos para suas residências. Ficaram abandonados na rodoviária, no relento e em noite chuvosa e fria.

A cena causou revolta e chocou aos que passaram pela rodoviária. Realmente impressionante a falta de humanidade para com aqueles que estão apenas buscando um direito sagrado e que está na Constituição Federal: acesso á saúde.


Fonte - Blog do Martinho Filho

Câmara aprova decreto de intervenção no Rio; senadores votam medida nesta terça

Após mais de seis horas de discussões e táticas de obstrução pelos contrários à medida, os deputados acataram o parecer da deputada Laura Carneiro (MDB-RJ)
Câmara dos Deputados durante sessão para votação da intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro
Câmara dos Deputados durante sessão para votação da intervenção federal na segurança pública do Rio de JaneiroFoto: Wilson Dias/Agência Brasil
A Câmara dos Deputados aprovou, por 340 votos a 72, o decreto legislativo que autoriza a intervenção federal na área de segurança pública do estado do Rio de Janeiro. Após mais de seis horas de discussões e táticas de obstrução pelos contrários à medida, os deputados acataram o parecer da deputada Laura Carneiro (MDB-RJ) favorável à medida, anunciada pelo presidente Michel Temer na última sexta-feira (16).

Leia também:
Relatora defende decreto e cobra recursos federais para intervenção no Rio de Janeiro; acompanhe
Eleito pelo Rio, Rodrigo Maia pede a deputados que apoiem intervenção federal


Nesta terça-feira (20), o Senado deve realizar, às 18h, uma sessão extraordinária destinada a votar o decreto. Caso o texto que estipula a intervenção seja aprovado pela maioria simples dos senadores presentes, o Congresso Nacional poderá publicar o decreto legislativo referendando a decisão de Temer de intervir no Rio de Janeiro.

A sessão durou mais do que o comum para uma segunda-feira e adentrou a madrugada desta terça-feira, em um dia em que os parlamentares ainda estão, normalmente, retornando de seus estados. Ao longo das discussões, quatro requerimentos foram apreciados pelos deputados por meio de votação nominal, o que significa que eles tiveram que votar no painel eletrônico, e não de modo simbólico. Após orientações dos líderes, os três pedidos de adiamento da votação foram rejeitados pela maioria dos parlamentares. Já o requerimento para encerramento das discussões foi aprovado por 328 votos a 7, mesmo com a obstrução dos oposicionistas, que não deram quórum neste momento.
Ao abrir a sessão, por volta das 20h, o presidente da Câmara (DEM), Rodrigo Maia, que é deputado pelo Rio de Janeiro, fez um apelo aos colegas para que aprovassem a medida.

Durante as votações, deputados favoráveis e contrários à medida se revezaram na tribuna. Para o deputado Chico Alencar (PSOL-RJ), a votação precisava ser adiada para que o governo dissesse de onde viriam os recursos para que a intervenção entre efetivamente em ação. “É o momento importante para se fazer um balanço jamais feito das 29 operações de Garantia da Lei e da Ordem ocorridas no país desde 2010. Alguém tem um relatório da eficácia disso?”, questionou o parlamentar.

Já para o deputado Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ), a intervenção federal é prevista constitucionalmente e cabe ao Congresso Nacional aprovar ou não a iniciativa do Poder Executivo. “Lamento que alguns partidos prefiram fazer o discurso hipócrita e de enganação ao povo do meu estado, que já não aguenta mais insegurança em todos os lugares. Nós precisamos urgentemente, no Rio de Janeiro, que a Constituição seja cumprida. Intervenção federal já. E hoje vocês decidem: andar com os bandidos do PCC, do Comando Vermelho e do Terceiro e por aí, ou [aprovarem o decreto]”, defendeu.

Falta aval: Temer retém R$ 18,4 bilhões para o Nordeste

Liberação do dinheiro depende de regulamentação de novo cálculo na taxa de juros
Daniel Camargos – Folha de S.Paulo
A falta de uma regulamentação que depende da assinatura do presidente Michel Temer trava a liberação de R$ 18,4 bilhões em empréstimos a empresas no Nordeste e em cidades mais pobres de Minas Gerais e Espírito Santo. O montante pertence ao FNE (Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste).
Assim como ocorreu com o BNDES, os fundos constitucionais como o FNE trocaram a antiga TJLP (Taxa de Juros de Longo Prazo) pela TLP (Taxa de Longo Prazo), mas com uma diferença: os fundos têm direito a abatimentos que reduzem a taxa.
Essa redução deve ser feita com a aplicação do chamado CDR (Coeficiente de Desequilíbrio Regional), que leva em consideração a diversidade econômica e social das diferentes regiões do país.
Segundo o Banco do Nordeste —responsável pela operação do —FNE, não é possível liberar o dinheiro até que um ato de Temer regulamente o sistema de cálculo e a aplicação do CDR.
Procurada pela reportagem da Folha, a Casa Civil informou que, na semana passada, recebeu a proposta de cálculo redigida pelo Ministério da Fazenda e que o texto agora está em análise na área jurídica.
Os recursos do FNE são usados para financiar de pequenos a grandes projetos. A construção da fábrica da Jeep, em Pernambuco, por exemplo, recebeu recursos dessa fonte.
Entre os projetos que agora aguardam uma definição do governo está a expansão do Aeroporto Internacional Pinto Martins, em Fortaleza (CE). A Fraport busca um financiamento de cerca de R$ 500 milhões. A empresa e o banco já avaliaram as condições do crédito, mas, por enquanto, o banco não pode liberar os recursos.
Quem mais sente a demora, porém, são os pequenos e médios empreendedores, explica Fátima Marques, secretária-executiva da Associação Comercial de Araçuaí, município mineiro do Vale do Jequitinhonha a 615 quilômetros de Belo Horizonte. "Não tem nenhuma taxa que consiga competir com essa do FNE", afirma Fátima.
Segundo ela, entre os que solicitaram crédito estão produtores de cachaça, gráficas e estamparias da região, uma mais carentes do Estado.
DESIGUALDADE
O FNE foi criado pela Constituição de 1988 com o objetivo de reduzir as diferenças entre as regiões do Brasil. Em 26 de dezembro de 2017, uma medida provisória mudou o cálculo da taxa de juros do fundo . O IPCA (índice oficial que mede a inflação no país) e a TLP passaram a ser componentes do cálculo.
Sobre a TLP incidem um bônus de adimplência e o CDR --o responsável, em última instância, por deixar a taxa de juros mais baixa. Segundo o Banco do Nordeste, o desconto chega a 68,5% e, em média, é 40% menor.
O Banco do Nordeste destaca que as operações rurais não tiveram o cálculo alterado e o crédito tem sido liberado normalmente.
VALORES
No ano passado, o FNE destinou R$ 16 bilhões para empresas. Segundo o banco, apesar de ainda não ter feito empréstimos neste ano, as negociações e análises técnicas para a liberação dos R$ 18,4 bilhões estão em andamento. "O Banco do Nordeste está com seus sistemas totalmente adaptados para operar com as novas taxas, dependendo apenas da regulamentação sobre o CDR", informa a instituição.
O que é o FNE
> Fundo operado pelo Banco do Nordeste que financia a juros subsidiados investimentos na região e nas cidades do Norte de Minas Gerais e do Espírito Santo
> As taxas chegam a ser até 68,5% inferiores às praticadas no mercado
> Prioridade para mini, micro e pequenas empresas
> 50% do dinheiro é destinado ao semi-árido
40%
É a média de desconto nos juros
Financiamentos de grande porte realizados via FNE nos últimos anos
> Construção da fábrica da Jeep, em Pernambuco
> Construção de parques de energia eólica, no Ceará
> Fábricas da cervejaria Itaipava, em Pernambuco e na Bahia

A última que morre

Em conversas com colegas do meio jurídico, advogados do ex-presidente Lula dizem ainda acreditar que a maioria do STF votará por conceder o habeas corpus a ele. (Daniela Lima – Folha Painel)
Gilberto Carvalho, ex-ministro da Secretaria-Geral no governo Lula, inicia rodada de conversas com magistrados de Brasília para falar sobre o caso do ex-presidente.
Reconhecido pela capacidade de diálogo, ele foi um dos escalados para cuidar do assunto.  (Mônica Bergamo – FSP)

Governadores do Nordeste vão a Temer: segurança

Com a segurança pública no centro do debate eleitoral, governadores do Nordeste decidiram elaborar uma pauta única sobre o tema para levá-la a Michel Temer.
Eles se reunirão em João Pessoa. A ideia é entregar ao presidente uma série de propostas para reduzir a criminalidade na região.
Aliados do Planalto mais envolvidos com a reforma da Previdência querem pinçar trechos da proposta que possam ser aprovados por meio de projeto infraconstitucional e colocá-los em votação. Trabalham com a equipe econômica. (Painel Folha)

Das 15 medidas econômicas, 11 são requentadas

Temas como privatização da Eletrobras enfrentam resistência no Congresso
Maeli Prado e Gustavo Uribe – Folha de S.Paulo
O governo apresentou nesta segunda-feira (19) uma lista de 15 pautas prioritárias para a área econômica no Congresso a serem tocadas ainda neste ano diante da decisão de desistir de aprovar a reforma da Previdência antes da eleição presidencial.
Dessas, 11 são projetos de lei que já tramitam no Congresso, como a reoneração da folha de pagamento, o novo cadastro positivo, uma regra para distrato de imóveis e a privatização da Eletrobras. Esses temas enfrentam resistência de parlamentares.
Também estão na pauta projetos que alteram a Lei de Responsabilidade Fiscal, a Lei das Licitações e regras sobre agência reguladoras e empresas estatais.
O governo tenta ainda aprovar duas medidas que podem afetar o mercado de crédito (a duplicata eletrônica e uma nova opção para regular a quantidade de dinheiro na economia) e uma legislação para evitar que servidores recebam acima do teto do funcionalismo público (hoje de R$ 33.763,00).
PLANO B
11 das medidas já tramitam no Congresso
> Mudança na lei de licitações
> Mudança na Lei de Responsabilidade Fiscal
> Regulamentação do teto do funcionalismo
> Desestatização da Eletrobras
> Aumento na autonomia da agências reguladoras
> Criação de depósitos voluntários no BC para regular dinheiro na economia
> Redução da desoneração da folha de pagamentos
> Programa de recuperação e melhoria empresarial das estatais
> Nova regra para o cadastro positivo
> Duplicata eletrônica
> Distrato de imóveis
NOVAS MEDIDAS
> Reforma do PIS/Cofins
> Autonomia do BC
> Atualização da Lei Geral de Telecomunicações
> Extinção do Fundo Soberano

Câmara aprova intervenção; texto vai para o Senado

Ponto pacífico na base do governo, operação enfrentou resistência da oposição
Folha de S.Paulo - Angela Boldrini e Daniel Carvalho
A Câmara dos Deputados aprovou na madrugada desta terça (20) o decreto de intervenção federal na segurança pública do Estado do Rio de Janeiro, assinado na sexta (16) pelo presidente Michel Temer.
O texto foi aprovado por 340 votos a favor e apenas 72 contra e uma abstenção, depois de mais de sete horas de sessão. Apenas PT, PC do B e PSOL orientaram contra a aprovação do decreto.
Agora, o decreto, que tramita em regime de urgência, seguirá para o Senado Federal, onde deve ser apreciado em plenário nesta terça-feira (20). Lá, tem que ser aprovado também por maioria simples.
O presidente da Casa, Eunício Oliveira (MDB-CE), ainda não designou relator para a matéria. Na Câmara, a relatora foi a deputada Laura Carneiro (MDB-RJ).
Ponto pacífico na base do governo, a intervenção enfrentou resistência de partidos da oposição. O PT se manteve em obstrução durante a votação, e o PSOL chegou a protocolar um mandado de segurança no STF (Supremo Tribunal Federal) na tarde desta segunda-feira para tentar impedir a realização da sessão, mas o pedido foi negado pelo ministro Celso de Mello.
A oposição criticou o governo por não apresentar justificativa para a edição do decreto, por não ter consultado previamente os conselhos da República e de Defesa Nacional. A consulta a esses colegiados só ocorreu nesta segunda, três dias após a edição do decreto.
"Ele [Temer] não conseguiu explicar nada, não respondeu nossos questionamentos, até Rodrigo Maia [presidente da Câmara (DEM-RJ)] questionou de onde virão os recursos", disse o líder da minoria na Câmara, José Guimarães (PT-CE), que participou da reunião pela manhã.
Houve também críticas à decisão de Temer de pedir ao Poder Judiciário a expedição de mandados coletivos de busca e apreensão para a atuação das Forças Armadas no Rio de Janeiro.
"Isso se chama estado de exceção e não podemos concordar com isso", disse o líder do PSOL, Ivan Valente (SP).
O decreto nomeou como interventor o general Braga Netto, comandante do CML (Comando Militar do Leste). Ele capitaneará em nome das Forças Armadas a atividade de segurança no Estado.
Caso seja aprovada nas duas Casas, a intervenção ficará em vigor, segundo o texto, até o dia 31 de dezembro de 2018. Ela foi definida em reunião com o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (MDB), na quinta-feira (15).
É a primeira vez desde que a Constituição Federal de 1988 entrou em vigor que é decretada uma intervenção federal.
As Forças Armadas já estão atuando no Estado, uma vez que, em julho de 2017, Temer assinou um decreto de GLO (Garantia da Lei e da Ordem), que permite a presença dos militares nas atividades de segurança pública.
Nesse caso, porém, as forças da União ficam subordinadas ao poder estadual, diferentemente da intervenção.

Previdência: Temer faz enterro oficial da reforma

 Apresentado plano B para economia
Lista contém 15 projetos
Blog Poder 360 – Mariana Ribeiro e Eduardo Barretto
Sem chances de aprovar a reforma da Previdência em 2018, o governo anunciou na noite desta 2ª feira (19.fev.2018) a suspensão oficial da tramitação do projeto. Além disso, apresentou 1 “plano B” para a agenda econômica: uma lista com 15 propostas que devem ser aprovadas ainda neste ano pelo Congresso.
Por se tratar de uma PEC (Proposta de Emenda Constitucional), a reforma da Previdência não pode ser discutida enquanto vigorar o decreto de intervenção na segurança do Rio de Janeiro. Desde que foi decretada a intervenção, entretanto, na última 6ª feira (16.fev.2018), o governo emitiu vários sinais contraditórios.
Parte inferior do formulário
Apesar de não contar com os 308 votos necessários para aprovar o texto, Marun negou que o governo tenha utilizado o decreto como desculpa para não colocar a reforma em votação. Já Dyogo Oliveira admitiu que “o mercado já vinha dando probabilidade baixa para a aprovação”.
Segundo Meirelles, a medida voltará a ser discutida “assim que possível“. “A Previdência continua sendo a reforma mais importante para o setor fiscal e será submetida ao Congresso Nacional tão logo haja determinação constitucional para isso”, afirmou.
O PACOTE ECONÔMICO
Apesar de ser apresentadas com tom de novidade, a maior parte das medidas que compõem o pacote de governo já tramita no Congresso. Muitas delas, inclusive, enfrentam resistência, como a privatização da Eletrobras e a reoneração da folha de pagamento. Eis a lista completa:
  1. Reforma do PIS/Cofins – Simplificação Tributária
  2. Autonomia do Banco Central
  3. Marco legal de licitações e contratos
  4. Nova lei de finanças públicas
  5. Regulamentação do teto remuneratório
  6. Desestatização da Eletrobras
  7. Reforço das Agências Reguladoras
  8. Depósitos voluntários no Banco Central
  9. Redução da desoneração da folha
  10. Programa de recuperação e melhoria empresarial das estatais
  11. Cadastro positivo
  12. Duplicata eletrônica
  13. Distrato
  14. Atualização da Lei Geral de Telecomunicações
  15. Extinção do Fundo Soberano

sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

Após carnaval, deputada Roberta Arraes retoma suas atividades com agenda positiva

Passado o período do carnaval, a deputada Roberta Arraes retomou sua agenda de trabalho, na tarde dessa quinta-feira (15), onde esteve reunida com o secretário de saúde do estado, Dr. Iran Costa.
O encontro foi para definir a data de inauguração do Centro de Nefrologia do Hospital e Maternidade Santa Maria, em Araripina, que já se encontra pronto.
Ainda na ocasião, conversaram também sobre a possibilidade de oferecer mais serviços à população tanto no Hospital Santa Maria como no Hospital Regional, com o intuito de melhorar e favorecer o atendimento aos pacientes sertanejos.
A parlamentar agradeceu a atenção dada pelo secretário, e afirmou que seu trabalho vem trazendo bons resultados para a população.
“Assim seguimos nosso trabalho, acompanhando de perto e pedindo celeridade às nossas solicitações, e sempre saindo das reuniões com respostas positivas para os nossos pleitos”, afirmou.

Governo decide fazer intervenção na Segurança Pública do Rio

Forças Armadas assumirão as atividades de segurança do Estado; a ideia do governo é que a ação dure até dezembro deste ano
Michel Temer em conversa com ministros
Michel Temer em conversa com ministrosFoto: Marcos Corrêa/PR
O presidente Michel Temer decidiu decretar intervenção na Segurança Pública do Rio de Janeiro. Com isso, as Forças Armadas assumirão as atividades de segurança do Estado. A ideia do governo é que a ação dure até dezembro deste ano, mas os últimos detalhes do texto do decreto serão definidos nesta sexta (16).

O decreto foi preparado durante reunião na noite de quinta (15) do presidente com os ministros da Defesa, Raul Jungmann, do Gabinete de Segurança Institucional, Sérgio Etchegoyen, da Fazenda, Henrique Meirelles, do Planejamento, Dyogo Oliveira, e da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco.

Leia também:
Intervenção no Rio ameaça tramitação da reforma da Previdência


O encontro contou ainda com a participação do governador do Estado, Luiz Fernando Pezão, e dos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE). É necessária a aprovação do decreto pelo Congresso Nacional em um prazo de dez dias, conforme diz a Constituição Federal.
O interventor em nome do Exército, segundo a reportagem apurou, será o general Braga Neto.

De acordo com presentes à reunião com Temer, seria a primeira intervenção do tipo desde a aprovação da Constituição de 1988. Na mesma reunião, o presidente discutiu com os presentes a criação de um Ministério da Segurança Pública. A nova pasta poderá ser anunciada nesta sexta.

O assunto já vinha sendo tratado pelo governo nos últimos meses, mas ganhou força com a onda de violência vivida pelo Rio durante o carnaval. Para tentar reduzir críticas sobre a criação de um novo Ministério, a ideia é que isso seja feito em caráter extraordinário, ou seja, com prazo de validade e seja extinta quando arrefecer a crise na segurança pública. O mesmo modelo foi adotado pelos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Fernando Henrique Cardoso.

Na reunião, a equipe econômica apresentou dados sobre o impacto da nova estrutura para a máquina pública. Um novo encontro deve ocorrer nesta sexta para fechar o formato da pasta.

Cotado
O nome mais cotado para assumi-la é o do ex-secretário estadual do Rio de Janeiro José Beltrame. Segundo a reportagem apurou, Temer escalou auxiliares presidenciais para convidá-lo. A indicação dele conta com o apoio dos ministros palacianos e das bancadas carioca e gaúcha do MDB na Câmara. Além de ser considerado um nome técnico e de prestígio na área, Beltrame é delegado aposentado da Polícia Federal.

A aposta é de que a nomeação dele reduza a resistência na corporação com a eventual saída da Polícia Federal da Justiça. Nos bastidores, delegados tem criticado a mudança e afirmado que ela pode interferir nas investigações em andamento. Pelo esboço feito pelo Palácio do Planalto, a Polícia Federal, a Polícia Rodoviária Federal e a Força Nacional iriam para o controle da nova pasta, o que esvaziaria a Justiça.

Temer também chegou a avaliar o nome de Jungmann, mas tem esbarrado na dificuldade em encontrar um substituto para o comando da Defesa. O receio dele é de que uma troca possa causar revolta e desconforto com as Forças Armadas, que já manifestaram contrariedade em reunião com o presidente na quarta-feira (14).

A criação da nova pasta faz parte de estratégia do presidente de criar uma marca para seu governo na área de segurança pública. Segundo pesquisa interna do MDB, o tema é um dos que mais preocupa os brasileiros para o processo eleitoral deste ano.

A ideia do presidente, que cogita disputar a reeleição neste ano caso melhore seus índices de aprovação, é de se antecipar ao pré-candidato do PSDB, Geraldo Alckmin, que já disse que criará a pasta caso seja eleito presidente.

ESTATÍSTICAS - COM 448 HOMICÍDIOS EM JANEIRO, PERNAMBUCO REGISTRA QUEDA DE 6% NO NÚMERO DE ASSASSINATOS

Pernambuco registrou 448 homicídios ao longo dos 31 dias do mês de janeiro de 2018. O número é 6,47% menor do que os 479 assassinatos registrados no mesmo mês em 2017, fazendo com que a média de assassinatos por dia no período em questão passe de 15 para 14,4. A estatística foi divulgada pela Secretaria de Defesa Social (SDS) nesta quinta-feira (15).

Com os dados referentes a janeiro, a SDS registra queda nos números de homicídios pelo segundo mês consecutivo, já que, em dezembro de 2017, também houve diminuição nas estatísticas desse tipo de crime no estado. Segundo a pasta, Caruaru, no Agreste, foi destaque durante o mês, já que houve redução de 56% na quantidade de Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs). O percentual simboliza a diminuição de 43 casos em janeiro de 2017 para 19 casos no mesmo mês de 2018.

Os assassinatos registrados em Caruaru integram os 232 casos de CVLIs registrados no interior do estado durante janeiro de 2018. Já na Região Metropolitana do Recife, o registro é de 158 vítimas de homicídio no estado. A capital pernambucana, por sua vez, teve 58 assassinatos no período em questão.

Segundo a SDS, mais da metade dos homicídios registrados em janeiro foram motivados pelo envolvimento das vítimas com tráfico de drogas e outras atividades criminosas. Os conflitos em comunidades são responsáveis por 12,5% dos assassinatos, de acordo com a pasta.

Uma das medidas de combate aos homicídios é o aumento do efetivo de delegados nas Delegacias de Polícia de Homicídio, aponta a SDS. Ao todo, 25 novos profissionais foram convocados para agilizar a conclusão de inquéritos e aumentar as prisões de criminosos. A atuação dos delegados teve início em fevereiro.

Do total de delegados, 20 foram convocados para atuar no Grande Recife e outros três no Agreste, sendo dois lotados em Caruaru e um em Santa Cruz do Capibaribe. No interior, dois delegados vão atuar nos municípios de Araripina e Arcoverde.

Feminicídios e estupros também diminuem

Em janeiro de 2018, Pernambuco também registrou uma queda no número de feminicídios no estado. No mês em questão, foram registrados três casos. Em janeiro de 2017, nove mulheres foram assassinadas.

De acordo com a SDS, os casos de estupro tiveram uma redução de 13,13% em relação a janeiro do ano passado. No primeiro mês de 2018, foram contabilizadas 172 ocorrências desse tipo e, no mesmo período do ano anterior, aconteceram 198 casos.


Do G1/ Petrolina

SEGURANÇA - SDS DOBRA O NÚMERO DE DELEGADOS NAS UNIDADES ESPECIALIZADAS EM HOMICÍDIOS

A Secretaria de Defesa Social de Pernambuco (SDS) anunciou nesta quinta-feira (15) que está realizando uma ampliação de 119% no efetivo de delegados nas Delegacias de Polícia de Homicídios em todo o Estado. Agora, um grupo de 46 delegados especializados vai intensificar o combate aos chamados Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs), prometendo mais agilidade nos inquéritos e aumento das prisões dos autores dos assassinatos.

Para o secretário de Defesa Social, Antonio de Pádua, o reforço de delegados, agentes e escrivães irá contribuir para incrementar ainda mais a taxa de resolução de inquéritos de homicídios, que de acordo com ele já é quatro vezes superior à média nacional. “Estamos confiantes no trabalho desses 25 delegados. É importante lembrar que, em 2017, 2.249 homicidas foram presos pelas polícias de Pernambuco e, somente em janeiro de 2018, já são 130 capturados”, ressaltou.

Entre os novos delegados, 20 serão lotados na Região Metropolitana do Recife (Divisões Norte e Sul e DHPP), três irão para o Agreste (dois em Caruaru e um em Santa Cruz do Capibaribe), e os outros dois seguem para o Sertão (Araripina e Arcoverde).

Segundo a SDS, a chegada dos novos profissionais coincide com um momento em que a quantidade de homicídios vem caindo. De acordo com o balanço mensal divulgado pela Secretaria, em janeiro de 2018 o número de crimes desse tipo caiu 6% em relação ao mesmo período de 2017 (apresentando 448 casos, ou seja, 29 a menos que no ano anterior). A tendência já havia se mostrado em dezembro, quando houve 394 homicídios, 16,5% a menos que em dezembro de 2016. Para a SDS, um dos indicadores que mais ajudaram nesse sentido foi a diminuição dos latrocínios (roubo seguido de morte), que caíram 35,9%. 

Leia também:





O balanço da SDS mostrou também uma redução de 66,6% nos casos de feminicídio registrados, bem como uma diminuição de 13,13% nos registros de estupro. Em termos regionais, Caruaru se destacou entre os municípios analisados, pois teria diminuído em 56% a quantidade de homicídios, quando comparando janeiro de 2017 e janeiro de 2018. Vale lembrar que apenas em setembro de 2017 foi publicado o decreto que institui o uso obrigatório da nomenclatura "feminicídio" nos boletins de ocorrência.

De acordo com as estatísticas da SDS, mais de 50% dos homicídios tiveram como motivação preliminar o envolvimento das vítimas com o tráfico de drogas e outras atividades criminosas. O segundo maior grupo é o de conflitos na comunidade, responsável por 12,5% dos assassinatos.


Da Folha de Pernambuco

ARARIPINA - DOIS JOVENS MORREM AO CAIR DE MOTO NA PE-585 NA SERRA DO JARDIM


Duas pessoas morreram vítimas de um grave acidente de trânsito por volta das 17:30 de domingo dia 11/02, na PE-585, estrada que liga Araripina ao Crato-CE, altura da Serra do Jardim, zona rural de Araripina. 

As vítimas foram identificadas por Paulo Henrique Souza, de 18 anos, natural de Araripina, solteiro, agricultor, o qual residia na Serra do Jardim e pilotava a moto, levando como carona Jarlan Torres de Souza, de 30 anos, agricultor, também residente na Serra do Jardim. 

Conforme informações da polícia civil que atendeu a ocorrência, populares informaram sobre o acidente e no local compareceu o delegado Daniel Nogueira, o qual através de testemunhas, colheu alguns dados. 

Ele relatou que uma testemunha disse que o acidente aconteceu próximo a residência do Senhor Patrício, onde o Paulo Henrique pilotava uma moto Honda CG 150 de cor vermelha, placa KIX-9512, quando provavelmente perdeu o controle e caiu, tendo morte no local. 
A outra vítima que vinha na garupa foi socorrida ao Hospital Santa Maria, mas já deu entrada sem vida. O caso foi registrado na DPC local e um inquérito policial foi instaurado para apurar o fato. 

Neste fim de semana prolongado devido ao carnaval, foram vários acidentes registrados em Araripina e três foram as vítimas fatais, sendo que outro acidente teve como vítima uma adolescente na BR 316, próximo a Samambaia.

Fonte - Polícia Civil de Pernambuco

Reportagem - Fredson Paiva


Fotos - Fredson Paiva/ Reprodução Internet