sexta-feira, 28 de abril de 2017

Confira serviços que devem ser afetados na RMR pela greve geral desta sexta-feira

Sindicatos de transporte, bancos, educação e segurança prometem paralisar atividades; protesto é contra reformas da previdência e trabalhista
Greve geral está marcada para esta sexta-feira (28)
Greve geral está marcada para esta sexta-feira (28)Foto: Leo Motta/Arquivo Folha de Pernambuco
Centrais sindicais de diversas categorias organizam greve para esta sexta-feira (28) em todo o Brasil. Serviços básicos de transporte, educação, segurança, entre outros, devem ser afetados em Pernambuco. O protesto é contra as reformas das previdência e trabalhista e a Lei da Terceirização. Confira abaixo o que deve parar.

Transporte
O Sindicato dos Rodoviários informou que nenhum ônibus circulará durante o dia. A Urbana/PE foi orientada pelo Grande Recife Consórcio a adotar medidas legais para garantir a circulação de 50% dos das 5h às 9h e das 16h às 20h. Nos demais horários, circulação de 30% da frota. 

O metrô funciona parcialmente nos horários de pico. A Superintendência da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) informou que as linhas Centro e Sul funcionarão das 5h às 9h e das 16h às 20h, horários de maior uso do sistema. A linha Diesel fica parada.

Educação
Os profissionais da educação estadual e municipal prometem paralisar as atividades. O Sindicato dos Professores de Pernambuco (Sinpro-PE) confirmou que pelo menos 50 escolas particulares aderiram à greve. A Secretária Estadual de Educação informou que apesar do anúncio do sindicato dos docentes estaduais, funcionará normalmente. 

Os docentes da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) decidiram apoiar a paralisação. Como instituição, a UFPE não se posicionou ainda sobre a greve, mas afirma que a decisão está relacionada às deliberações dos sindicatos. A Universidade Católica de Pernambuco, Faculdade dos Guararapes e da Esuda cancelaram as aulas. 

Saúde
Na saúde, os médicos não vão aderir à greve. O mesmo não ocorrerá com o resto dos servidores do Ministério da Saúde, que, segundo o sindicato responsável, estará participando dos atos realizados na sexta. 

Segurança
O Sindicato da Polícia Civil de Pernambuco afirmou que a categoria irá paralisar as atividades. Ainda assim, atividades como o Instituto de Medicina Legal e os plantões estarão funcionando normalmente. Independente disso, a Associação dos Cabos e Soldados de Pernambuco, sindicato que representa os policiais militares, ratificou que não participará da greve.

Bancos
Os bancários de Pernambuco decidiram participar da greve em assembleia realizada no dia 18 de abril. A categoria aprovou o fechamento das agências dos bancos públicos e privados por um período de 24 horas.

AeroportosPilotos e comissários de bordo decidiram em assembleia realizada na quinta-feira (27) não aderir à paralisação. Apesar disso, os aeroviários, responsáveis pelos serviços de solo, afirmam que vão parar as atividades, o que deve afetar os principais aeroportos do país. Contudo, a Infraero informou que não há previsão de impactos na programação de voos do Aeroporto do Recife por enquanto e nem da adesão dos seus funcionários nessa greve. 

ComércioA Federação dos Empregados do Comércio de Bens e de Serviços do Norte e do Nordeste e seus 34 sindicatos filiados das regiões Nordeste e Norte declararam adesão à greve.

Servidores do Recife
Servidores municipais do Recife decidiram aderir à greve. A categoria não aceita a proposta da Prefeitura do Recife de só iniciar as negociações salariais a partir de julho deste ano, o que estaria desrespeitando a data-base do município, que é janeiro de 2017.

O Departamento Estadual de Trânsito (Detran-PE) informa que todas as unidades do Órgão, Lojas dos Shoppings e Ciretrans funcionarão normalmente, conforme o horário das referidas unidades. 

Servidores do legislativo
O Sindicato dos Servidores no Poder Legislativo de Pernambuco informou que servidores da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) vão aderir à greve. A decisão foi tomada em assembleia da categoria no último dia 20 de abril.

Fazendários estaduais
Auditores fiscais e julgadores tributários da Secretaria da Fazenda de Pernambuco (Sefaz-PE) aprovaram a paralisação das atividades em assembleia no dia 18 de abril. A suspensão dos serviços vai afetar a Sefaz-PE em todas as 26 agências da Receita Estadual, na sede da secretaria, no Edifício San Rafael, no Detran-PE, além dos 15 postos fiscais.

Estaleiros
Trabalhadores do setor naval, em Suape, vão aderir à paralisação geral, conforme ficou decidido em assembleia com o Sindicato dos Metalúrgicos de Pernambuco (Sindmetal-PE). Apenas no Estaleiro Atlântico Sul são 3,6 mil trabalhadores.
Petroleiros 
Os petroleiros também prometem suspender as atividades. No site da Federação Única dos Petroleiros (FUP), a categoria informa que os trabalhadores do sistema Petrobras vão parar, a partir da 0h de sexta, as operações nas principais unidades da empresa.

ARARIPINA - PATRULHA AMBIENTAL FAZ DOAÇÃO DE MUDAS PARA COMUNIDADES DO ALTO ALEGRE E SÃO JOSÉ

O grupo Patrulha Ambiental doou aproximadamente 50 mudas de plantas nativas e exóticas para a comunidades do Alto Alegre e São José para a festa de Santo Expedito, da paróquia de Nossa Senhora das Dores, Araripina - PE.

Os festejos estão sendo realizados desde o dia 21/04 e  vai até 01/05. O tema da campanha é “Animados pela fé, juntos com Santo Expedito e Maria Santíssima, assumindo a missão de evangelizar”.
Como o tema da Campanha da Fraternidade da Igreja Católica este ano aborda a questão dos Biomas, a comunidade solicitou algumas mudas à Patrulha Ambiental para distribuir entre os participantes do evento.
Cedro Angico

Foram doadas mudas de Jatobá (Hymenaea courbaril), Moringa (Moringa Oleífera), Cedro (Cedrela fissilis), Saboneteira (Sapindus saponaria) Angico (Anadenanthera colubrina)e Barriguda (Cavanillesia arborea).
 
 Jatobá Saboneteira

Barriguda

Moringa


Fonte/Fotos: Patrulha Ambiental

2018: PT já cogita eleição sem Lula como candidato

Em análises internas de cenário, petistas reconhecem que delações da Odebrecht e de Léo Pinheiro, da OAS, complicaram a vida de Lula para as eleições
Veja
As novas suspeitas contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, acusado de corrupção por ex-executivos de empreiteiras, fez com que o PT passasse a incluir em suas análises internas do cenário político e discussões sobre estratégias a possibilidade concreta de não contar com o seu líder máximo na disputa eleitoral de 2018. O receio é que uma condenação em segunda instância na Operação Lava Jato o torne inelegível com base na Lei da Ficha Limpa.
A reação do PT às novas suspeitas é reforçar o empenho na defesa de Lula tanto nas ruas quanto nas redes sociais. Ninguém no partido ousa questionar ou cobrar explicações do ex-presidente.
Lula é visto no PT como alvo de perseguição da Lava Jato e vítima de uma campanha para impedir sua candidatura em 2018. Mas, com a divulgação dos depoimentos da Odebrecht e a delação do empreiteiro José Adelmário Pinheiro Filho, o Léo Pinheiro, da OAS, a possibilidade de condenação de Lula, antes vista como remota, ganhou novo status.
Líderes petistas avaliam que mesmo que as novas acusações não sejam confirmadas com provas materiais, elas engrossam o caldo das chamadas “provas indiciárias” (com base em indícios) que poderiam sustentar, pelo volume, um pedido de condenação de Lula com base na teoria do domínio do fato, usada para levar José Dirceu à prisão no mensalão.
Lula é alvo de seis pedidos de abertura de inquéritos enviados pelo ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), à primeira instância da Justiça Federal com base nas delações da Odebrecht.

Greve: governo vê risco de black blocs em 5 capitais

A equipe de inteligência do governo federal identificou risco de participação de black blocs nos atos da greve geral desta sexta (28) em ao menos cinco capitais: São Paulo, Rio, Brasília, Porto Alegre e Fortaleza. As equipes de segurança locais foram avisadas e o Planalto já trabalha com a possibilidade de haver conflito. Auxiliares do presidente Michel Temer dizem que houve uma radicalização no discurso de convocação para as manifestações após a aprovação da reforma trabalhista.
O governo também diz que há estratégia para posicionar estudantes menores de 18 anos à frente dos movimentos para constranger a ação das polícias militares.
Embora o presidente do TST, Ives Gandra Filho, tenha determinado que a Justiça do Trabalho funcionasse normalmente nesta sexta, os tribunais regionais de Minas e da Bahia suspenderam expediente.
Contrariado com a aprovação na Câmara do fim do imposto sindical, o deputado Paulinho da Força (SD-SP) trabalha para convocar outra greve geral para o dia da votação da reforma da Previdência na Casa.
A ideia é mostrar força com os atos desta sexta e ganhar “margem de negociação” com o presidente Michel Temer para tentar reaver a contribuição.
Dirigente da Força Sindical, Paulinho estará às 3h da manhã em uma garagem de ônibus da zona sul de São Paulo para impedir que os veículos saiam. (Painel - Damiela Lima - FSP)

As ruas desafiam o governo Temer e o Congresso

El País Xosé Hermida
O Governo do Brasil joga seu futuro nos próximos dias. Atingido pelos escândalos de corrupção e em queda nas pesquisas, o presidente Michel Temer aposta tudo num frenético calendário legislativo, com as reformas trabalhistas e previdenciária em destaque na última tentativa de recuperar um mínimo de credibilidade para o seu mandato. Os sindicatos e a oposição decidiram desafiá-lo nas ruas, submetendo-o nesta sexta-feira a uma prova de fogo com uma greve geral que obteve apoios inesperados.
“A greve geral de amanhã pode ser o teste mais difícil do Governo (...)”. Esse tuíte é de quatro anos atrás e se referia ao mandato de Dilma Rousseff. Seu autor, João Doria, é agora prefeito de São Paulo pelo PSDB, um dos principais aliados de Temer. Em seu novo papel, Doria se empenhou tanto nos últimos dias para garantir o fracasso da greve que chegou inclusive a um acordo com empresas de táxi para transportarem de graça os funcionários municipais que queiram comparecer ao trabalho. 
O que valia em 2013 para o Governo de Dilma também vale agora para o de Temer. A greve convocada é um teste decisivo que pode marcar o futuro de um presidente que, em seus nove meses no cargo, enfrentou uma corrida de obstáculos da qual, até agora, saiu incinerado. Uma pesquisa de opinião divulgada nesta semana pelo instituto Ipsos indica que apenas 4% dos brasileiros apoiam o Governo – que se apresentava como o salvador do país frente à crise econômica e às suspeitas de corrupção que sacudiam o PT após 13 anos no poder. A economia parou de cair, e todas as previsões são de que o PIB do Brasil crescerá levemente este ano, após despencar 3,8% em 2015 e 3,6% em 2016. Mas a situação política continua piorando de forma irremediável. 
Além da exibição de poder sindical, o protesto de hoje será o primeiro termômetro para medir, nas ruas, o impacto da difusão pública da “delação do fim do mundo”. As revelações dos executivos da Odebrecht voltaram a atingir duramente o PT e seu líder, o ex-presidente Lula, mas minaram todo o sistema político. O Governo tem oito ministros investigados pelo Supremo Tribunal Federal, e o próprio Temer só se livrou graças à proteção legal conferida pela Constituição, embora a Procuradoria Geral da República tenha constatado a existência de indícios contra ele. 
A reação de Temer à investida judicial tem sido uma tentativa de enterrar a corrupção acelerando um plano de reformas econômicas para satisfazer os únicos apoios que o Governo tem fora da base da Câmara e do Senado: os grandes setores empresariais e as instituições econômicas internacionais, como o FMI. 
A recente visita ao país do primeiro-ministro espanhol, o direitista Mariano Rajoy, primeiro mandatário europeu a estender a mão a um Temer com escassa ajuda de governos estrangeiros, serviu para ilustrar o tamanho da aposta. Temer proclamou que sua inspiração são Rajoy e suas reformas. De fato, os dois políticos são unidos por muitas coisas: ambos foram salpicados por escândalos de corrupção, chegaram ao poder em meio a crises econômicas e implementaram reformas profundamente impopulares. O espanhol se permitiu sugerir a Temer que ignore as ruas, esqueça os possíveis danos eleitorais e prossiga contra todas as dificuldades. Mas há uma diferença essencial entre Rajoy e Temer: o espanhol chegou ao poder pelas urnas; já o brasileiro, por uma manobra política parlamentar contra o Governo do qual ele próprio era vice-presidente. 
Os riscos para Temer são enormes. O Brasil é um dos países americanos com maior tradição sindical. A primeira greve geral remonta a 1917, e há 73 anos o então presidente Getúlio Vargas aprovou a Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), até agora considerada quase intocável. Até mesmo um sindicalista sem formação acadêmica, Lula, conseguiu no início deste século alcançar a presidência do país. Além dessas raízes históricas, a greve convocada alcançou apoios que extrapolam o mundo sindical. Teve adesão de várias categorias: de professores de colégios de elite a certos bispos, depois das críticas feitas pela hierarquia católica brasileira às reformas de Temer e da carta enviada pelo papa Francisco ao presidente, reprovando alguns aspectos de sua política. No mínimo, a paralisação do transporte – inclusive aéreo – parece garantida nas maiores cidades. Entre os que participam do protesto, há também aliados políticos de Temer. E esse é agora o seu principal problema. Embora na quarta-feira ele tenha conseguido aprovar inicialmente na Câmara a reforma trabalhista, a primeira grande modificação das velhas normas da época de Getúlio, houve algumas deserções entre os partidos que o apoiam. Nesta quinta, um dos caciques do PMDB rebelados contra o Governo, Renan Calheiros, voltou ao ataque e ameaçou bloquear o projeto no Senado. Para conseguir avançar com sua grande aposta, a reforma previdenciária, Temer precisa de uma maioria de três quintos da Câmara. Não será fácil, sobretudo se a greve tiver sucesso e exercer maior pressão sobre os parlamentares da base aliada que hesitam em dar o voto favorável ao projeto. A questão da Previdência é essencial para Temer não acabar perdendo toda a credibilidade. E para o Governo respirar um pouco neste ano e meio que ainda falta para as eleições presidenciais de 2018.

terça-feira, 25 de abril de 2017

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA COMEMORA 40 ANOS DE ESCOLA EM ARARIPINA

CERIMÔNIA – Direção da unidade e estudantes compareceram à Reunião Solene, de autoria da deputada Roberta Arraes (PSB). Foto: Henrique Genecy
A Escola de Referência em Ensino Médio (Erem) Luiz Gonzaga Duarte, em Araripina (Sertão do Araripe), completou 40 anos de atividades. A comemoração motivou uma Reunião Solene, realizada na noite desta segunda (24), na Assembleia, por sugestão da deputada Roberta Arraes (PSB).
Fundada em 4 de abril de 1977, a unidade é reconhecida pela dedicação e pelo alto nível de conhecimento dos professores. Quando surgiu, era um centro de educação rural voltado para o ensino dos filhos de agricultores da região. Teve como primeira diretora a professora Maria Ramos Muniz e, desde fevereiro de 2015, vem sendo dirigida pela professora Maria Gorete Ferreira da Silva.
Em 2006, a escola conquistou o Prêmio Nacional de Referência em Gestão Escolar, revelando os bons resultados dos investimentos em educação. “Isso é exemplo para o País do quanto uma boa administração pode fazer”, destacou o deputado Lucas Ramos (PSB), que presidiu a solenidade.
Em seu discurso, Roberta Arraes enfatizou os diversos projetos desenvolvidos pela unidade, além do pioneirismo no ensino agrícola e técnico. “A escola proporcionou a muitos sertanejos a realização de seus sonhos”, observou, lembrando que Pernambuco ocupa a primeira colocação no Ensino Médio no Brasil. A parlamentar parabenizou os esforços da Erem Luiz Gonzaga Duarte por proporcionar educação de qualidade aos jovens do Sertão.
A diretora do colégio, Maria Gorete Ferreira, recebeu da Alepe uma placa comemorativa. Ela parabenizou a deputada Roberta Arraes pela iniciativa da homenagem e salientou que mais de 21 mil estudantes passaram pelo centro de ensino, que, desde 2013, tornou-se escola de referência. “A educação salva vidas e transforma realidades”, afirmou.

Votação da reforma trabalhista pode atrasar

Falta de quorum adiou votação da MP que cria regras de contratos de concessões de ferrovias, rodovias e aeroportos
Câmara Federal
Câmara FederalFoto: Wilson Campos
Por falta de quorum, a Câmara dos Deputados adiou a votação da Medida Provisória 752/16, que cria regras para a prorrogação e relicitação de contratos de concessões de ferrovias, rodovias e aeroportos. Não há data para nova votação. A MP tranca a pauta, impedindo a análise de outras matérias, em sessões ordinárias, o que pode dificultar a votação da reforma trabalhista ainda nesta semana. 

A sessão desta segunda-feira (24) foi encerrada às 20h01 sem que fosse atingido o quorum de 257 deputados, necessário para iniciar a ordem do dia. No plenário, dos 513 deputados, apenas 247 marcaram presença. Com isso, as sessões da Câmara de hoje serão destinadas à votação dos destaques ao projeto de lei 343/17, que trata da recuperação fiscal dos Estados.

Concessões
A MP 752/16 prorroga contratos com concessionárias de rodovias e aeroportos concedidos ao setor privado, além de relicitar contratos. A medida vale para os administradores dos aeroportos do Galeão (RJ), de Brasília, Viracopos (SP), de Confins (MG), de São Gonçalo do Amarante (RN) e de Guarulhos (SP). No setor rodoviário, poderá ser feito novo cronograma de investimentos com extensão por até 12 anos do prazo, contados da assinatura do contrato original.

O governo queria pelo menos iniciar a discussão da MP na noite desta segunda. No entanto, mais cedo, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), já havia admitido a dificuldade em obter o quorum mínimo. Maia pretende votar a reforma trabalhista em plenário até quinta-feira. Antes, o texto do relator Rogério Marinho (PSDB-RN) terá que ser aprovado na comissão especial que analisa o mérito da reforma.

Relatório
A discussão e votação do relatório na comissão vai começar amanhã às 10h. Marinho deverá apresentar uma nova versão do seu substitutivo. A proposta deverá acolher algumas emendas de deputados.

Pelo acordo firmado na semana passada com a oposição, por ocasião da aprovação do requerimento de urgência ao projeto, Marinho se comprometeu a acolher parte das emendas. Em troca, a oposição disse que não vai obstruir os trabalhos nem fará pedido de vista.

Temer decide exonerar ministros para que votem pela reforma da Previdência

Exoneração deve ocorrer dias antes da votação no plenário da Casa, prevista para a segunda semana de maio
Imbassahy e Mendonça Filho falam após reunião ministerial
Imbassahy e Mendonça Filho falam após reunião ministerialFoto: Valter Campanato / Agência Brasil
O presidente Michel Temer vai exonerar todos os ministros que tiverem mandato na Câmara dos Deputados para possam votar a favor da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287/16, que trata da reforma da Previdência. A exoneração deve ocorrer dias antes da votação no plenário da Casa, prevista para a segunda semana de maio. Antes, o relatório de Arthur Maia (PPS-BA) será votado na comissão especial criada para discutir o tema.

A decisão de Temer foi anunciada pelo ministro da Secretaria de Governo, Antonio Imbassahy, após reunião do presidente com a equipe ministerial na tarde desta segunda-feira (24), no Palácio do Planalto. “É um reforço. É como se fosse reforçar o time em campo. Vai ficar mais reforçado ainda com a ação efetiva e presente dos ministros na Câmara dos Deputados”. Imbassahy, inclusive, será exonerado para reassumir seu mandato pelo PSDB.

A equipe de ministros de Temer conta com 14 deputados federais. Mas, neste caso, apenas 13 deputados terão voto, uma vez que Raul Jungmann (PPS-PE), ministro da Defesa, é suplente de Mendonça Filho (DEM-PE), que será outro a deixar temporariamente seu cargo para voltar à Câmara.

“O governo vai jogar todas as forças no sentido da aprovação da reforma da Previdência”, disse Mendonça Filho. Para ele, a decisão de voltar à Câmara para votar “afirma o compromisso daqueles que ocupam função nos ministérios no sentido de ajudar uma reforma decisiva para o futuro do Brasil”, disse. “É uma reforma que, sem ela, o Brasil vai afundar”, completou.

O expediente já havia sido adotado pela ex-presidenta Dilma Rousseff em abril do ano passado. Na ocasião, ela exonerou quatro ministros que tinham mandato na Câmara para votarem contra seu impeachment. O gesto de Temer, no entanto, vai além do voto no plenário. Ele quer os ministros atuando junto aos líderes dos partidos para garantir a fidelidade da base ao governo.

Para o Palácio do Planalto, a iniciativa é também simbólica e reflete a importância que o presidente Temer dá a essa votação. Além da exoneração dias antes da votação, os ministros não farão viagens a partir desta semana. Eles devem ficar em Brasília para receber parlamentares e líderes dos seus partidos na articulação em prol da aprovação da reforma.

Para Imbassahy, o governo terá votos suficientes depois que o novo texto da reforma apresentado por Arthur Maia for conhecido por todos os parlamentares e pela sociedade. “Acho que vai ter uma interação entre opinião pública e congressistas. E os congressistas vão ver que agora é uma outra base e que suas propostas foram absorvidas no relatório do deputado Arthur Maia”.

Imbassahy afirmou que não deverão mais ser feitas alterações no relatório de Arthur Maia e que essa é uma posição compartilhada pelo governo e pelo próprio relator. O presidente da comissão, Carlos Marun (PMDB-MS), fez um acordo com a oposição para que não houvesse obstrução durante a leitura do parecer e se comprometeu a fazer sessões de debate ao longo desta semana. Segundo Marun, com a votação do relatório no colegiado no próximo dia 2, a previsão é que a leitura no plenário da Câmara ocorra no dia 8 de maio.

OAS pagou US$ 1 milhão por palestras de Lula

Sócio da construtora disse, entretanto, que todos os eventos com o ex-presidente foram realizados
Agência Estado
O empresário Léo Pinheiro, da OAS, disse que a empreiteira “pagou mais de US$ 1 milhão” ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por palestras no exterior. Ao todo, disse o ex-presidente da OAS, foram cinco eventos, ou US$ 200 mil por palestra.
No interrogatório a que foi submetido pelo juiz Sérgio Moro na quinta-feira da semana passada, Léo Pinheiro falou das palestras quando explicava detalhes até então desconhecidos da Lava-Jato sobre o triplex do Condomínio Solaris, no Guarujá - cuja propriedade a força-tarefa do Ministério Público Federal atribui a Lula, o que é negado por sua defesa.
“Foram dadas as palestras?”, questionou o criminalista Cristiano Zanin Martins, defensor de Lula. “Foram dadas, ninguém está falando o contrário”, respondeu Léo Pinheiro. “Existia um vínculo comercial que poderia ter resolvido isso, já existia um hábito, transações comerciais entre a OAS, o Instituto Lula e as palestras, mas nunca foi resolvido esse assunto.”

Denúncias contra Aécio e Serra podem ir para Moro

A eventual decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) de limitar o foro privilegiado a quem cometeu o crime no mandato parlamentar pode ter consequências drásticas para os investigados da Lava Jato que estão hoje sob a jurisdição da Suprema Corte. Se prevalecer a proposta, do ministro Luís Roberto Barroso, boa parte dos inquéritos descerá imediatamente para a primeira instância.  A informação é de Mônica Bergamo, na sua coluna desta terça-feira da Folha de S.Paulo
"É o caso, por exemplo, das investigações os tucanos Aécio Neves e José Serra. Eles são acusados de crimes quando ocupavam outros cargos. Os dois negam as irregularidades."


Dia ainda a colunista que por se tratar de norma processual, diz um magistrado, a aplicação é imediata. "E ninguém tem direito adquirido a um sistema que não funciona", diz o mesmo ministro do Supremo.

Adiamento gera tensão

    O juiz federal Sérgio Moro decidiu adiar o depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em um dos processos ligados à Operação Lava Jato. Lula é réu em três processos relacionados à Lava Jato, sendo acusado pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e obstrução da Justiça. Entre outras acusações, as denúncias indicam que Lula teria recebido benefícios das empreiteiras OAS e Odebrecht, envolvendo, por exemplo, imóveis no Guarujá e São Bernardo do Campo.
A mobilização do PT em apoio a Lula, organizada pelos movimentos sociais e pelo próprio partido, contava até mesmo com caravanas de vários pontos do País, o que fez com que Polícia Federal pedisse mais tempo para preparar o aparato de segurança. Segundo o jornal "Folha de S. Paulo", o petista deveria depor em Curitiba em 3 de maio, mas a data foi alterada para 10 do mesmo mês por questões de segurança.
A Polícia Federal alega que precisa de mais tempo para organizar o esquema de proteção do local de depoimento, já que o PT planeja enviar caravanas de diversas partes do país para apoiar Lula. No processo, o ex-presidente é acusado de corrupção passiva e lavagem de dinheiro por supostamente ter recebido R$ 3,7 milhões em "vantagens indevidas" da construtora OAS, incluindo um apartamento tríplex no Guarujá.
Em depoimento a Moro, o ex-presidente da empreiteira, Léo Pinheiro, disse que o imóvel pertencia à família de Lula e que o petista até lhe pedira para destruir provas. Já a defesa do ex-mandatário afirma que a versão de Pinheiro foi "fabricada" para ele conseguir fechar um acordo de delação premiada. Tão logo se divulgou o adiamento surgiram interpretações de todas as naturezas, inclusive levantando até a possibilidade de Lula vir a ser preso.
O líder do PT na Câmara, Carlos Zarattini (SP) diz acreditar que não há razão para que Lula seja preso. “Mas, como nós estamos vivendo um regime de exceção – a Lava Jato tem autorização para fazer o que bem quiser–, nos preocupa, sim”, afirmou. Ao contrário da grande maioria do Congresso, inclusive senadores e deputados do próprio PT, o líder do partido é um crítico de Moro: “A gente pode esperar qualquer coisa desse juiz”, declarou.

quinta-feira, 20 de abril de 2017

“SOMOS ALIADOS DE ROBERTA E ALEXANDRE ARRAES”, AFIRMAM OS VEREADORES DIVONA E TICO DE ROBERTO

Contrariando algumas especulações que circularam nos bastidores da política dando conta de que os vereadores Divona da Rancharia e Tico de Roberto teriam aderido ao grupo do prefeito Raimundo Pimentel, os dois parlamentares participaram do programa Canal Aberto na Rádio Nova Araripe FM e afirmaram que são aliados da deputada estadual Roberta Arraes e do ex-prefeito Alexandre Arraes.
“Fomos eleitos no grupo da oposição e é justamente onde vamos permanecer. Sou um político que sempre pautei a minha vida pública com fidelidade aos meus eleitores e ao grupo político que pertence. Sempre tive um lado e o meu é da oposição liderado por Roberta e Alexandre. Estou no quinto mandato e faço política com responsabilidade”, disse Tico de Roberto.
“Sou aliado de Roberta e Alexandre e continuamos firmes e fortes na oposição, mesmo porque fomos eleitos na oposição. Temos responsabilidade com nosso mandato, com o povo e respeitamos o nosso grupo político. Não faço político por conveniência e nem oportunismo. Faço política com seriedade, respeito e muita responsabilidade”, disse Divona.
PROJETOS DO EXECUTIVO
Provocados pelos ouvintes, principalmente alguns servidores da prefeitura a respeito de como votariam nos Projetos de Lei oriundos do Poder Executivo e que trata da revisão dos Planos de Cargos e Carreiras dos professores e do Fundeb 40, os vereadores declararam publicamente de que forma irão votar.
Tico de Roberto disse que não ficaria contra os trabalhadores e que vai votar pela reprovação. A mesma posição também de Divona que garantiu publicamente que não iria votar nos dois projetos que tiram direitos adquiridos pelos trabalhadores.
Os projetos têm causado uma grande polêmica e um embate entre o SIMA – Sindicato dos Servidores Municipais de Araripina e a prefeitura. Pelo projeto várias conquistas dos trabalhadores seriam retiradas e o sindicato não concorda. Por conta disso, os projetos estão se arrastando desde o início da gestão e não são colocados em votação.

Pode vir quente que estou fervendo

Carlos Brickmann
Agora que, passada a Páscoa, 2017 está começando, a Lava Jato vem com tudo: as delações premiadas de João Santana e Mônica Moura, os marqueteiros do PT (que conhecem boa parte das manobras da Odebrecht para financiar as campanhas de Lula, Dilma e candidatos presidenciais em países latino-americanos); e o avanço nas negociações para a delação premiada de Antônio Palocci, chefe da Casa Civil de Dilma, ministro da Fazenda de Lula e seu principal contato nos meios financeiros. Dizem que Palocci vai mostrar como bancos e conglomerados financiaram o PT.

Há ainda o depoimento de Léo Pinheiro, que era presidente da OAS na época da reforma do apartamento triplex, no Guarujá, que não é de Lula; da reforma do sítio de Atibaia, aquele que também não é de Lula; e do pagamento da guarda dos presentes que Lula ganhou como presidente, e que segundo o Ministério Público não são de Lula, mas da Presidência.

Por fim, o depoimento de Lula ao juiz Sérgio Moro. Lula montou duas estratégias: uma política, lotar ônibus com petistas e cercar o local do depoimento; outra, jurídica, de convocar 87 testemunhas, para atrasar o julgamento. Nenhuma deve funcionar: os antipetistas também prometem se reunir em Curitiba. E Sérgio Moro, para coibir a iniciativa de atrasar o julgamento, determinou que Lula esteja presente nos 87 depoimentos.


Antecipar sua estada em Curitiba é aquilo que Lula menos deseja.

Caciques na Lava Jato, PSDB recorre a jovens prefeitos

Na admissão mais explícita de que seus líderes históricos sofreram avarias sérias com a Lava Jato, o PSDB paulista fez nesta quarta (19), a portas fechadas, reunião com seus jovens prefeitos e deputados para traçar um plano de reorganização interna e proteção do legado do tucanato. Dirigentes da sigla pediram que os novos quadros não abandonem a defesa de nomes como o governador Geraldo Alckmin, mas atuem para impedir que o partido “seja enterrado na mesma vala do PT”.
Aécio Neves (PSDB-MG) decidiu não ir a Brasília esta semana para, em Belo Horizonte, organizar sua defesa na Lava Jato. Aliados do tucano reconhecem que, no cenário de hoje, ele teria dificuldade até para se reeleger senador.
A reunião de São Paulo ocorreu no mesmo dia em que pesquisas trouxeram o prefeito João Doria à frente de Alckmin e do senador Aécio Neves (PSDB-MG) em sondagem sobre 2018. Em privado, alckmistas admitem que, se a escolha tivesse que ser feita hoje, Doria seria o candidato do PSDB ao Planalto.
Presidente do PSDB paulista, Pedro Tobias chegou a dizer que, pode-se investigar a campanha de Alckmin por caixa dois, mas não colocá-lo “no mesmo saco de Sérgio Cabral, que botou R$ 100 milhões no bolso”. Segundo relatos, ele criticou a imprensa, a quem acusou de nivelar todos por baixo.
Por sugestão do prefeito Orlando Morando, de São Bernardo do Campo, o PSDB vai enviar uma carta a todos os seus filiados no Estado, pedindo uma defesa altiva do partido, dizendo que ele “combateu e combate a corrupção”.(Painel – Daniela Lima – Folha de S.Paulo)

Ibope: rejeição a Lula cai 14 pontos; menor que Aécio

Pesquisa inédita do Ibope mostra que Luiz Inácio Lula da Silva (PT) voltou a ser o presidenciável com maior potencial de voto entre nove nomes testados pelo instituto. Pela primeira vez desde 2015, os eleitores que dizem que votariam nele com certeza (30%) ou que poderiam votar (17%) se equivalem aos que não votariam de jeito nenhum (51%), considerada a margem de erro. Desde o impeachment de Dilma Rousseff, há um ano, a rejeição a Lula caiu 14 pontos 
A pesquisa foi feita antes de vir a público a lista do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, com as delações de executivos da Odebrecht que acusaram o ex-presidente de corrupção, junto com dezenas de outros políticos. Se a divulgação das denúncias prejudicou a imagem de Lula (e de outros denunciados), não houve tempo de isso ser captado pelo Ibope.
Os três principais nomes do PSDB, por sua vez, viram seu potencial de voto diminuir ao longo do último ano e meio. Desde outubro de 2015, a soma dos que votariam com certeza ou poderiam votar em Aécio Neves despencou de 41% para 22%. O potencial de José Serra caiu de 32% para 25%, e o de Geraldo Alckmin foi de 29% para 22%. Os três tucanos têm aparecem na pesquisa com taxas de rejeição superiores à de Lula: 62%, 58% e 54%, respectivamente.
O Ibope testou pela primeira vez o potencial do prefeito de São Paulo, João Doria, em uma eleição para presidente. Embora seja muito menos conhecido do que seus colegas de PSDB (44% de desconhecimento, contra 24% de Alckmin e 16% de Serra e Aécio), Doria tem 16% de eleitores potenciais (6% votariam com certeza). Mas sua vantagem é ter uma rejeição muito menor que a dos concorrentes dentro do partido: 36%.
Principal adversário de Dilma na última disputa presidencial, Aécio sofre desgaste até nos segmentos em que foi vitorioso. Desde outubro de 2015, seu potencial de voto no eleitorado de renda mais alta (acima de cinco salários mínimos) caiu de 44% para 26%. Na região Sudeste, um de seus redutos, a taxa caiu de 42% para 23%.
Assim como os nomes tradicionais do PSDB, a presidenciável Marina Silva sofreu redução de potencial de voto e aumento da rejeição. Agora, um terço dos eleitores a indicam como possível opção – eram 39% em 2015 e há um ano.
Apesar de ter não contar mais com a projeção e a visibilidade inerente ao cargo de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa ainda é considerado um candidato viável à Presidência da República por uma parcela considerável dos eleitores. Na pesquisa Ibope, ele aparece com 24% de potencial de voto (soma das respostas “votaria com certeza” e “poderia votar”).
Barbosa, que se celebrizou ao conduzir o julgamento do Mensalão e que se aposentou do STF em 2014, também não sofre os mesmos níveis de rejeição atribuídos aos políticos. Apenas 32% dizem que não votariam nele de jeito nenhum – uma das taxas mais baixas entre as dos nove nomes testados pelo Ibope. O ex-ministro do STF, porém, não manifestou intenção de se candidatar e nem sequer é filiado a um partido.
Jair Bolsonaro, que tenta se beneficiar da onda de rejeição a políticos – apesar de ser deputado desde o começo dos anos 90 –, aparece com 17% de potencial de voto na pesquisa. Seu possível contingente de eleitores cresceu seis pontos porcentuais desde o ano passado, mas a parcela que o rejeita aumentou ainda mais, de 34% para 42%.
Entre os dias 7 e 11 de abril, o Ibope realizou 2002 entrevistas face a face, em 143 municípios de todas as regiões do Brasil. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos, com intervalo de confiança de 95%. As perguntas eleitorais fizeram parte da pesquisa mensal que o instituto conduz mensalmente com questionário variável, o chamado BUS.
Na pesquisa de potencial de voto, o entrevistador apresenta um nome de cada vez e pede ao eleitor que escolha qual frase descreve melhor sua opinião sobre aquela pessoa: se votaria nela com certeza, se poderia votar, se não votaria de jeito nenhum, ou se não a conhece o suficiente para opinar. É diferente da intenção de voto. Se aplica especialmente quando falta muito tempo até a eleição e as candidaturas ainda estão incertas.
Lula da Silva tem o maior eleitorado cativo entre possíveis candidatos a presidente. Segundo pesquisa Ibope publicada aqui com exclusividade, 19% votariam “com certeza” nele e em mais ninguém – além de outros 11% que dizem que votariam com certeza não só nele, mas em outros também. Para se comparar, o segundo maior eleitorado exclusivo é o do ex-ministro do Supremo Joaquim Barbosa: 4%, um quarto do de Lula.
Considerando-se os que votariam com certeza e quem poderia votar em cada nome testado pelo Ibope, Lula chega a 47%; Marina Silva (Rede) tem 33%; Jose Serra (PSDB), 25%; Joaquim Barbosa, 24%; Geraldo Alckmin e Aécio Neves, 22% cada; Ciro Gomes (PDT), 18%; Jair Bolsonaro (PSC), 17%; e João Doria (PSDB), 16%. Mas Doria, Bolsonaro e Joaquim são desconhecidos para 40% ou mais do eleitorado e, por isso, sofrem menos com a rejeição.

terça-feira, 18 de abril de 2017

Pernambuco em Ação leva R$ 121 milhões em investimentos ao Agreste Setentrional

Agreste Setentrional
A população da região vai contar com reforços importantes nas áreas de abastecimento hídrico, saneamento básico, educação, agricultura, saúde e mobilidade urbana
SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE – Encerrando a segunda rodada do Pernambuco em Ação, o governador Paulo Câmara anunciou, neste sábado (08.04), uma série de obras e ações estruturadoras para fortalecer as áreas de abastecimento hídrico, saneamento básico, educação, agricultura, saúde e mobilidade urbana na região do Agreste Setentrional. Juntas, as intervenções vão receber um investimento de R$ 121 milhões. O chefe do Executivo estadual fez um balanço da passagem do seminário pelo Agreste Pernambucano.
“A gente tem a felicidade de estar aqui, hoje, para liberar mais de R$ 120 milhões para a região do Agreste Setentrional, com a certeza de que esses recursos vão ser aplicados em favor da população e da melhoria da educação, do saneamento, da água e de tantas outras áreas importantes. São ações necessárias que, diante de um cenário tão difícil, mostra que Pernambuco está no caminho certo, que estamos empenhados por um Estado melhor para todos”, avaliou o governador. Paulo defendeu ainda que, apesar das dificuldades, o Governo continua investindo, executando as obras e garantindo a oferta dos serviços.
Na ocasião, foram liberados R$ 1,5 milhão, através do Fundo Estadual de Apoio aos Municípios (FEM), para atender dez municípios do Agreste Setentrional, são eles: Bom Jardim, Casinhas, Cumaru, Frei Miguelinho, João Alfredo, Machados, Passira, Santa Cruz do Capibaribe, Santa Maria do Cambucá e Surubim. Os recursos serão implantados em obras de infraestrutura urbana, reformas e reconstrução de espaços públicos, entre outras demandas municipais.
“O governador, reconhecendo a necessidade de desenvolvimento dos municípios, tem determinado que nós façamos as parcerias junto com os prefeitos, conversando, conhecendo as necessidades e especificidades de cada cidade. É importante destacar que, desde o início desta gestão, já foram liberados mais de R$ 130 milhões para os municípios pernambucanos, visando contribuir para a melhoria da qualidade de vida da população”, registrou o secretário de Planejamento e Gestão, Márcio Stefanni.
ARRECADAÇÃO – Durante o evento, Paulo anunciou o envio do Projeto de Lei à Assembleia Legislativa de Pernambuco que vai autorizar a emissão avulsa da nota fiscal para os contribuintes não inscritos no Cadastro de Contribuintes do Estado de Pernambuco (Cacepe). A medida vai permitir a regularização das operações com confecções realizadas nos municípios do Agreste do Estado.
SAÚDE - Dois hospitais municipais do Agreste pernambucano serão beneficiados a partir de convênio assinado, neste sábado (08.04), pelo governador. O Hospital Severino Pereira da Silva, em Taquaritinga do Norte, e o Hospital e Maternidade Municipal Raymundo Francelino Aragão, em Santa Cruz do Capibaribe, receberão repasses no valor de R$ 400 mil, cada, para implementação de ações de saúde no atendimento à população. Os repasses estaduais permitirão às unidades qualificarem ainda mais os serviços oferecidos aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS). 
O secretário estadual de Saúde, Iran Costa, falou sobre a importância dessas ações para a qualidade dos serviços ofertados na região. “O objetivo é ampliar o acesso à saúde pública, reduzindo o deslocamento de moradores do interior ao Recife em busca de atendimento. Nós vamos aprimorar os serviços ofertados nestas duas unidades, e, como consequência, o atendimento desses hospitais será ampliado”, pontuou o secretário. Iran destacou ainda a liberação de R$ 150 mil para a saúde pública do município de Feira Nova.
Fotos: Aluísio Moreira/SEI